segunda-feira, 31 de maio de 2010

Para além da espécie - Um projecto de desenvolvimento social IV

As actividades em curso

A realização do objectivo social torna-se ainda mais urgente devido a dois importantes aspectos de higiene pública:

- actualmente, a população felina e canina de São Vicente é mantida sob controlo mediante campanhas de abatimento com a estricnina dispostas pelo Município e actuadas pela Delegação do Ministério da Saúde. Além de ser um método bárbaro e impiedoso para os animais, o abatimento mediante iscas envenenadas, é também muito perigoso para as pessoas, sobretudo num País em que a vida se processa ao ar livre e as crianças brincam habitualmente na rua. Além disso, com o aumento da consciencialização da população para com o próprio direito à segurança e à sensibilidade para com os direitos dos animais, torna-se cada vez mais difícil para as autoridades, actuar esta forma de controlo.

- actualmente, não existe nenhuma normativa que regulamente a eliminação dos cadáveres dos animais mortos, pelo que são abandonados na rua, nos caixotes do lixo ou enterrados em qualquer lugar mesmo dentro dos centros habitados. Os que morreram na sequência das campanhas de abate são recolhidos ao amanhecer pelos camiões do lixo e levados para o aterro.

O esboço de protocolo de parceria já apresentada à Câmara Municipal da ilha contém, portanto, o pedido de uma progressiva substituição das campanhas de abate com as campanhas de esterilização, para as quais a SI MA BÔ oferece todo o próprio suporte logístico, veterinário e, nos limites das suas possibilidades, também económico. Além disso, solicita-se também um lote de terreno municipal para a criação de um cemitério para os animais.

O Ministério da Saúde já reconheceu amplamente o trabalho da Associação no campo da higiene pública, autorizando a compra de medicamentos junto do fornecedor por grosso da ilha e pondo à disposição dos veterinários voluntários um meio de transporte para chegar às outras aldeias da ilha.

Campanhas

- Desparasitação gratuita dos animais vadios e com proprietários indigentes, através do atendimento e o internamento na sede do Mindelo e intervenções na rua, principalmente no bairro da Ribeira Bote, onde a população canina e felina é muito numerosa também por causa da forte oposição da população às campanhas de abate, e na zona do mercado do peixe.

O objectivo destas intervenções é o de reduzir a infestação dos animais dos parasitas exteriores (tais como o ácaro da sarna e as carraças) e interiores (tais como os parasitas intestinais, entre os quais a ténia ou verme solitário) que podem causar grande sofrimento ao animal, além de representar um perigo para o homem.

- Sensibilização da população mindelense relativamente aos direitos dos animais e da salvaguarda do ambiente através de várias iniciativas tais como a projecção de desenhos animados nos jardins infantis e nas escolas, projecções de fotografias e a participação com os animais em várias actividades lúdicas.

- Incentivo à adopção dos animais vadios recuperados e esterilizados mediante
• concessão gratuita do tratamento veterinário em caso de doença ou acidente para todos os animais adoptados (já esterilizados);
• abertura ao público da sede-refúgio numa zona bastante central e facilmente acessível a pé por todos os bairros da cidade; isso permitirá às pessoas interessadas de se aproximarem dos animais de maneira “amena”, seguindo a recuperação e escolherem o animal que pretendem adoptar depois de ter sido tratado e esterilizado;
• campanhas nas escolas, em particular, na Escola Secundária José Augusto Pinto, onde está a decorrer um projecto com os alunos e os professores de biologia para o estudo das parasitoses no laboratório escolar.

- Esterilização dos animais vadios e com proprietários com dificuldades económicas. No primeiro ano de actividade da associação, foram esterilizados mais de 230 animais, tendo a maior parte deles proprietários, também porque as autoridades não manifestaram a vontade de poupar os animais esterilizados durante as campanhas de abate, nem se dotados de uma marca de reconhecimento. Mas é nossa clara intenção actuar campanhas de esterilização também dos cães vadios mal tivermos a certeza de os poder proteger.

sábado, 29 de maio de 2010

Nosso dia-a-dia


Lola, que encontramos perto do mercado de peixe e no momento se encontra em tratamento intensivo. Quando estiver saudável e bonita, voltará a aparecer aqui.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Para além da espécie - Um projecto de desenvolvimento social III

O projecto
Contribuições a projectos europeus

SIMABÔ está inserida em dois projectos universitários italianos:


- um projecto da Universidade de Turim, Faculdade de Veterinária, Instituto de Parasitologia, dirigido pelo Prof. Luca Rossi, que está a investigar a transmissibilidade da sarna entre o cão e o homem, partindo do dado de facto que nos países onde a sarna está difundida entre a população canina releva-se uma difusão de sarna também na população humana.

Para permitir a participação no projecto, a Universidade ofereceu um microscópio e procede à análise gratuita das amostras cutâneas (raspagens e biopsias) recolhidas e levadas para a Itália pelos veterinários responsáveis.

- um projecto da Universidade de Camerino, Faculdade de Veterinária, Instituto de Anatomia Patológica, dirigido pelo Prof. Giacomo Rossi, que busca realizar um protocolo para a terapia da leishmaniose, uma grave doença sistémica transmissível também ao homem, muito difundida em Cabo Verde tal como noutros países.


Para este fim, a Universidade fornece protocolos terapêuticos de provada eficácia e efectua gratuitamente as análises das amostras dos animais em terapia para seguir o decurso da doença e verificar os melhoramentos.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Nosso dia-a-dia

Equiopa da SIMABÔ visita a animais adoptados, para saber se estão bem.

Bons Amigos na net!

www.abacv.org


Este é o site da Associação Bons Amigos, que fica na Praia e, tal como a SIMABÔ, trabalha na protecção e nos cuidados de saúde aos animais.

Nesse sentido, tem feito um grande trabalho em vários bairros da cidade da Praia, onde vai conseguindo diminuir o número de animais abandonados, através de campanhas de esterilização, e melhorando a saúde geral.


Visite o site a conheça o trabalho da Associação Bons Amigos.

sábado, 22 de maio de 2010

Para além da espécie - Um projecto de desenvolvimento social II

O projecto (continuação)

Patrocínios
No passado mês de Novembro, a SIMABÔ foi creditada pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Turim, Instituto de Parasitologia, como uma das entidades onde os licenciandos podem efectuar as 100 horas de actividade prática à escolha (junta-se em anexo o protocolo da Universidade de Turim).


Recentemente, o Instituto concedeu em uso à associação um microscópio que representa, de momento, o único instrumento de diagnóstico disponível na ilha no campo veterinário (anexa-se a carta da Universidade de Turim relativa à concessão em uso do microscópio). Além disso, empenhou-se na realização de um plano para o censo da população canina da ilha, como primeiro passo para uma correcta planificação das campanhas de esterilização e a instituição de um registo canino.

Além disso, a partir do passado mês de Março, a associação dispõe oficialmente dos protocolos da Universidade de Camerino para o tratamento da leishmaniose (anexa-se carta de colaboração da Universidade de Camerino).

O projecto é ainda aconselhado pela AIVPA – Associazione Italiana Veterinari Piccoli Animali (Associação Italiana Veterinários Pequenos Animais), enquanto oportunidade de crescimento profissional para os próprios inscritos.

Estas extraordinárias oportunidades oferecidas aos veterinários especialistas, aos jovens licenciados e aos licenciandos, graças também ao patrocínio da AIVPA, permitiram à associação de assegurar a presença na sede de São Vicente de um ou dois veterinários voluntários durante a maior parte do ano.

Organização e pessoal
Actualmente, a Associação conta com três dependentes: uma responsável pelo refúgio que efectua pessoalmente todas as tarefas ligadas à gestão diária (limpeza, alimentação, subministração dos medicamentos, etc.), uma guarda zoófila que efectua os controlos nos animais adoptados ou em tratamento domiciliário e um veterinário local a tempo parcial. Os tratamentos especializados (infusões, medicamentação, etc.) são subministrados pela Sr.ª Lídia Silveira, enfermeira profissional, actualmente professora na local Escola para Enfermeiros, que colabora com a associação a título voluntário.

Os três dependentes locais são coadjuvados, durante a maior parte do ano, por
- 1 ou 2 voluntários italianos não veterinários
- 1 ou 2 veterinários voluntários recém-licenciados, coadjuvados mediamente, durante uma semana por mês por
- 1 veterinário voluntário especializado na realização das operações de esterilização.

Portanto, o projecto representa um foco de criação de postos de trabalho num País com uma elevada taxa de desemprego e uma ocasião de trocas de experiência para os veterinários dos dois países.

(continua)

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Nosso dia-a-dia


terça-feira, 18 de maio de 2010

Para além da espécie - Um projecto de desenvolvimento social

Conheça o projecto SIMABÔ:

A Organização
Denominação
SI MA BÔ – Associação para a protecção dos animais e do ambiente – Mindelo, São Vicente – Tel. 2315834 / 2312465 / 9937347, registada no Cartório de São Vicente no dia 3 de Dezembro de 2008 (cópia do Boletim Oficial em anexo)

Objecto social - Do artigo 3 dos Estatutos
“Melhorar as condições de vida da população das ilhas de Cabo Verde, em especial, tentar diminuir a população de cães e gatos vadios através da castração, reduzindo o perigo de transmissão de doenças parasitárias para a população. E ainda através da protecção e conservação de espécies emblemáticas ameaçadas e em perigo de extinção, promovendo o envolvimento da população local nas actividades.”

O projecto

Direcção
A direcção veterinária do projecto está entregue à Dr.ª Rossana Raineri, Directora Sanitária do Centro Veterinário Monviso de San Secondo di Pinerolo (TO), onde os veterinários voluntários que desejam participar no projecto exercem o estágio preparatório gratuito.

Além disso, o Centro Veterinário Monviso é o ponto de referência para os veterinários italianos que se deslocam ao arquipélago, com quem estabelecem contínuos contactos em videochamada para procurarem soluções para os casos mais críticos ou de difícil diagnóstico. Cada veterinário, quando regressa à Itália, envia para o Centro Monviso as amostras recolhidas durante a permanência, com o fim de focalizar com o tempo um quadro epidemiológico suficientemente claro e poder proceder em consequência, sob o ponto de vista terapêutico.

Nesta actividade de investigação, o projecto é apoiado activamente pelo Instituto de Parasitologia da Faculdade de Veterinária da Universidade de Turim que efectua as análises das raspagens cutâneas para o estudo comparativo da sarna e outras zoonoses transmitidas por parasitas externos tais como erliquiose, babesiose, lyme, etc., e pelo Instituto de Anatomia Patológica da Faculdade de Veterinária da Universidade de Camerino que efectua gratuitamente o exame histológico das amostras provenientes de autópsias em animais mortos por causas não identificadas e, sobretudo, colabora no estudo epidemiológico da leishmaniose, uma grave zoonose presente na ilha, com o fim de aprontar um tratamento facilmente aplicável. (continua)

segunda-feira, 10 de maio de 2010

SIMABÔ na TV

Para ver a reportagem da TCV sobre a SIMABÔ, clique aqui:

http://www.rtc.cv/index.php?paginas=45&id_cod=3024&data=2010-05-07

Agradecemos à jornalista Matilde Dias e à emissora pela atenção dada ao nosso trabalho.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

À espera de um dono


Branca, hóspede do abrigo da SIMABÔ desde 2009, aguarda alguém que a adopte.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Nosso dia-a-dia


segunda-feira, 3 de maio de 2010

Depoimento de uma voluntária - III

Valéria Barbieri, outra veterinária italiana, de Milão, escreve sobre sua experiência com a SIMABÔ:

"Regressei com uma sensação de vazio e de impotência, e a consciência de ter feito apenas uma pequena parte do que gostaria de fazer no Mindelo. Quem de nós não sonha em mudar um pouco o mundo?

Mas então recordo-me das caras dos pacientes que me saudavam no abrigo, sacudindo-se, alegres. Saber que estão em melhor situação agora, graças ao meu trabalho, convence-me que o pouco que fiz, ainda que fosse para só um deles, já valeu a pena.

Com estes sentimentos ao voltar para casa, acho que vou voltar a esta experiência maravilhosa. Disseram-me que seria particularmente duro e psicologicamente stressante, mas não sinto desta maneira. Foi uma “aventura” que me enriqueceu humanamente como nenhuma outra experiencia veterinária “civilizada” poderia fazer. É uma experiência por que todos deveriam passar para realmente compreender o que podemos fazer com poucos recursos.

Antes de começar, preocupava-me em como ia fazer as coisas sem determinados instrumentos, ou como ia lidar com os clientes, cuja linguagem eu não entendia e que eu achava que não tinham um “espírito animalista” como o entendemos nós, europeus. Bem, nada mais errado!

Encontrei pessoas que, apesar das limitações, estão disponíveis e dispostas a fazer o bem ao seu animal de estimação, que são capazes de grandes coisas (como trazer um gato envenenado de ônibus 12 km de distância). Fiquei impressionada com a simplicidade com que vivem a sua relação com seus companheiros de quatro patas, um relacionamento sem frescuras, mas simpático. Voltei para casa feliz por ter descoberto que, apesar de ser uma minoria, essas pessoas ajudam a disseminar a cultura do respeito para cães e gatos.

As pessoas que encontrei, dos líderes da associação aos voluntários e toda a equipa cabo-verdiana, são bonitas, sorridentes e prestativas. Acho que não poderia encontrar nada melhor, então espero regressar em breve.

A quem tiver dúvida sobre fazer essa experiência, digo que avance, porque do ponto de vista médico tem-se a oportunidade de contactar com doenças que raramente encontramos nos consultórios. Mas atenção, colegas menos experientes: não pensem em ir a Mindelo sem prática, sem estarem bem preparados para lidar com, pelo menos, as emergências toxicológicas e traumas! Caso contrário, podem causar grandes danos!


Do ponto de vista humano, é uma experiencia incomparável.


Obrigada a todos


Valeria"

Depoimento de uma voluntária - II

A Dra. Stephanie Tailhardat, de Parma, passou uma semana como voluntária na SIMABÔ, em Março último. Na foto, a tratar de uma cadela com um grave prolapso uterino. Veja o seu depoimento:
“Primeira experiência, maravilhosa, apesar da curta duração, devido aos compromissos da vida...
Uma experiência que eu não posso esperar para repetir logo que eu tenha oportunidade.
Certamente foi o começo de um sonho, pois quem melhor do que mil animais preenche seus sentimentos!

Sempre estive convencida de exercer o melhor emprego do mundo, graças ao relacionamento com eles, que me dá tanta felicidade. Eu acredito que ajudar um cão ou um gato é também uma forma de ajudar aqueles que estão perto de nós, porque ao ensinar as pessoas a respeitarem quem não tem a palavra, indirectamente, estamos a ensinar o respeito entre as pessoas.

Devemos fazer a pessoas compreenderem que matar animais não irá fazer o problema desaparecer, mas que é enfrentando-o que se resolve.
Devemos ajudar as pessoas a acreditar que a sua saúde está dependente dos animais que são seus vizinhos.
Devemos ajudá-las a lutar contra zoonoses, pão de cada dia de muitas visitas ao Centro.
Ajudá-las simplesmente a acreditar que os cães e gatos são como eles, ou seja, sima bô.”